28 de junho de 2016

Sei que faz tempo que nao posto nada... mas...

Pessoal, sei que faz tempo que nao posto nada aqui... e que minha vida esta muito muitooooooo ocupada devido ao doutorado de medicina natural que estou fazendo... Espero que me perdoem... Porem se quiserem seguir meus posts no Facebook aqui esta o endereco. E volto sempre que puder.
Click aqui : Hortas Organicas no Facebook.
Festival de lavandas 2016. Oregon USA



Festival de lavandas 2016. Oregon USA



14 de janeiro de 2016

Arsenio em nosso arroz!






Arsenio inorganico no nosso arroz de todos os dias... Estamos nos envenenando cronicamente.

O resultado pode chegar na forma de lupus, alergias cronicas, cancer etc...

Fonte: Laboratório de Toxicologia e Essencialidade de Metais, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto-USP, Monte Alegre, Ribeirão Preto, SP, Brazil.
Journal of hazardous materials (Impact Factor: 4.53). 07/2011; 191(1-3):342-8. DOI: 10.1016/j.jhazmat.2011.04.087
Source: PubMed


Na onda do gluten free com farinha de arroz pra substituir o gluten do trigo (que tambem em demasia pode acabar gerando problemas pra pessoas alergicas ao gliadin) e mais arroz no prato 14 vezes por semana o Brasileiro esta cada dia mais se envenenando com arsenio inorganico... 

Essa e pra me deixar triste mesmo... saber que o arroz do mundo todo esta BASTANTE contaminado com arsenio inorganico (pra quem nao sabe... = veneno pra nos!), eu ja sabia... e ja vinha divulgaldo a muito tempo... Saber que mesmo a versao integral e organica e super contaminada eu tb ja sabia a muito tempo... O que eu nao sabia ainda e que o arroz da cidade onde eu nasci (Pelotas-RS) e o mais contaminado do Brasil !!! QUE MERD&^%$#!!!!!!!!!

Pra quem so leu isso hoje e nao conhece nenhuma das minha outras postagens sobre o topico favor procurar na lupa da comunidade do facebook SUSTENTAVEL E ORGANICO OU SOMOS FEITOS DO QUE COMEMOS Click aqui: pelas palavras (arsenio no arroz)... assim vcs ja ficam sabendo de todos os detalhes inclusive podem confirmar com todos os artigos cientificos ja postados e perguntas com respostas nos topicos ja abertos.

Tambem vou deixar aqui varios links de instituicoes serias sobre o assunto para que vcs possam fazer suas proprias pesquisas e ver como o assunto e serio. Tao serio que a ONU esta se envolvendo para tentar evitar de alguma maneira esse envenenamento cronico e mundial.

Pra facilitar a vida de quem nao tem Facebook, vou postar aqui algumas das perguntas mais frequentes que recebo sobre o assunto:

1- Mas se eu comprar organico e integral resolvo o problema?

Organico "as vezes" tem um pouquinho menos arsenio, porem tem tambem pois o arsenio e um elemento natural dos solos do mundo inteiro e a planta do arroz e como uma esponja que gosta e tem como caracteristica sugar quantidades altas de arsenio do solo. Entao mesmo organico esta contaminado dependendo do solo onde foi plantado. Em regioes onde algum dia existiu lavouras nao organicas, plantacoes de algodao ou mineracao os niveis de arsenio no solo sao maiores entao a contaminacao do arroz tb sera maior pois alem do arsenio que ja esta la naturalmente o homem tambem adicionava muito na plantacao de algodao e em varios pesticidas. O Homem tambem adiciona arsenio na racao de aves na forma de Roxarsone que tem tambem outros nomes. Eles usam para que as aves fiquem com a carne mais rosadinha, cor que o consumidor prefere, e tambem para matar os vermes para que as aves engordem mais rapido. Entao toda vez que adubo de aves e usado em plantacoes de arroz aumenta o nivel de arsenico na terra. O arroz integral mostrou-se em todas as pesquisas ter quase o dobro de arsenio do que o branco.

2- Mas se isso fosse verdade os Asiaticos ja estariam todos mortos.

Sim isso e verdade, nao existem duvidas, e um fato! Podem constatar em todos os links serios. Porem nao... apesar de ser verdade os Brasileiros e Asiaticos ainda estao vivos. Nao e porque vc come um pouquinho de arsenio todos os dias que vc vai morrer imediatamente. A contaminacao do arsenio nesses niveis e cronica e assim como todas as contaminacoes cronicas ela precisa de anos e anos pra comecar a fazer efeito... Os efeitos podem ser inumeros... alergias, doencas imunes, cancer etc. Pra vcs terem uma ideia o Japao tem o maior indice de varios tipos de cancer do mundo. Inclusive cancer de estomago entre outros. Deixei alguns links sobre o Japao aqui tb.

3- Entao o que posso fazer? Tenho que parar de comer arroz?

Assim como tudo na vida a decisao e sua. Porem, a recomendacao nos USA e para que se consuma no maximo 2 porcoes semanais. E para bbs menos ainda. Lavar muito bem e fazer o arroz estilo massas (boiando na agua e depois jogar a agua fora) retira ate 30% do arsenio do arroz branco. A versao integral e sempre mais complicada pois como e um arroz mais inteiro tem bem mais arsenio.

4- Se a terra esta contaminada entao porque so devo me preocupar com o arroz e nao com tudo?

Na verdade a planta do arroz tem essa caracteristica especial de realmente sugar mais arsenio. E tambem a preocupacao com o arroz deve ser maior pois e um alimento usado muitas vezes por semana, algumas familias usam dele mais de 14 vezes por semana. E agora com a onda do gluten free as pessoas estao usando farinha de arroz nos paes tambem, aumentando ainda mais a contaminacao cronica.

PS: Desculpem os erros de portugues, alem de meu teclado nao ter acentos, moro fora do Brasil a mais de 1 decada, e estou ficando cada dia mais burrinha nessa area kkkk.



Fonte: Laboratório de Toxicologia e Essencialidade de Metais, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto-USP, Monte Alegre, Ribeirão Preto, SP, Brazil.
Journal of hazardous materials (Impact Factor: 4.53). 07/2011; 191(1-3):342-8. DOI: 10.1016/j.jhazmat.2011.04.087
Source: PubMed

Algumas fontes:

11 de outubro de 2015

Feliz dia das Crianças!!!



Eis a 1ª geração que viverá menos que seus pais!!!
Mas vc ainda pode mudar isso!
Não seja apenas mais uma estatística.


Momentos como esses sao comuns na sua vida?

“A primeira vez que meu filho reagiu à Tartrazina ele começou a tremer e a bater a cabeça contra a parede — ele não conseguia parar de se mexer, mas tinha plena consciência do que estava acontecendo e ficou muito assustado por causa disso. Foi terrível, tanto para ele quanto para quem estava observando.”

“Minha filha de quatro anos, que já é muito ativa, se torna hiperativa e agressiva após chupar algumas balas ou tomar um suco colorido. O efeito, imediato e fácil de notar, pode levar até 24 horas para passar. Ela se comporta quase como maníaca."

E esses?Você experimenta inchaço após as refeições , gás, arrotos frequentes , ou qualquer tipo de problemas digestivos ?
Você tem constipação crônica ou diarréia ?
Você tem um nariz entupido após as refeições ?
Você tem baixo consumo de energia ou se sente sonolento depois de comer ?
Você tem dores de cabeça ou enxaquecas freqüentes ?
Alguém na sua família tem alergias alimentares ?
Se você responder sim a qualquer destas perguntas, você pode querer investigar mais.


Como a dieta afeta a saúde em diferentes fases da vida?



Os riscos de desenvolver doenças crônicas começam na vida fetal e continuam até a velhice. Assim, doenças crônicas do adulto reflectir os efeitos combinados da exposição prévia aos ambientes prejudiciais. Medidas preventivas podem, portanto, serem tomadas em todas as fases da vida.



No útero e na primeira infância, vários fatores de risco podem influenciar a suscetibilidade ao desenvolvimento de doenças relacionadas com a alimentação crônicas mais tarde na vida. Atraso do crescimento do feto tem sido associada com um risco aumentado de doença coronária cardíaca, acidente vascular cerebral, diabetes e hipertensão arterial. Invulgarmente grande tamanho no momento do nascimento, possivelmente resultante da sobrealimentação no útero, tem sido associada a um risco aumentado de doenças tais como diabetes e doença cardiovascular.



Amamentar pode diminuir o risco de desenvolver obesidade mais tarde. Em contraste, substitutos do leite materno (Formula) pode aumentar o risco de desenvolvimento de várias doenças crônicas, tais como diabetes tipo 1 e câncer, na infância e adolescência. O nível de colesterol e de tipo específico de ácidos gordos presentes no leite para bebés alimentados podem afectar a manutenção dos níveis de colesterol na vida mais tarde.

Durante a infância, tanto o crescimento retardado e peso ou altura o ganho excessivo têm sido mostrados contribuir para doenças crônicas na vida adulta. Por exemplo, bebês com baixo peso ou estatura baixa pode enfrentar um aumento do risco de doença cardiacas, acidente vascular cerebral ou diabetes. Crianças menores que ganham altura particularmente rápida têm um risco aumentado de acidente vascular cerebral e certos tipos de câncer.



Durante a infância e adolescência, a adoção de hábitos, como dietas não saudáveis, níveis baixos de exercício, bem como o álcool e o tabaco tem sido mostrado aumentar o risco de desenvolver certas doenças crônicas.

Uma dieta saudável contribui para a pressão arterial elevada em crianças que causam alterações no organismo, que são associados com o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e da obesidade. A ingestão de alto teor calórico na infância também está associada a um risco aumentado de câncer mais tarde na vida. É preocupante, não só doenças crônicas ocorrer cada vez mais cedo na vida, mas elas tendem a persistir por toda a vida.



A maioria das doenças crônicas são expressas na idade adulta; portanto, é um momento crítico para reduzir fatores de risco e aumentando tratamento eficaz. Os fatores de risco que prevalecem durante a idade adulta têm sido fortemente relacionada com as doenças cardiovasculares e diabetes, incluindo o uso do tabaco, a obesidade, o sedentarismo, alto nível de colesterol, pressão arterial elevada e consumo de álcool. A capacidade do indivíduo para assumir o controle sobre sua vida e para tomar decisões de vida saudáveis ​​parece ser um importante determinante da saúde.


O aumento da taxa de obesidade significa que as doenças crônicas relacionadas à obesidade estão se tornando comuns entre crianças e adolescentes. Ser excesso de peso aumenta o risco de uma criança para uma série de doenças e condições, incluindo:


Asma - Um grande número de crianças que estão com sobrepeso têm asma.


Diabetes - diabetes tipo 2, anteriormente conhecido como diabetes do adulto, tornou-se cada vez mais prevalente entre as crianças e adolescentes com sobrepeso. Um estudo realizado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) estima que uma em cada três crianças americanas nascidas em 2000 desenvolverá o diabetes em sua vida.

Os cálculos biliares - A incidência de cálculos biliares é significativamente maior naqueles que são obesos.


Doença cardíaca - indicadores precoces de aterosclerose - também conhecido como o endurecimento das artérias - começar tão cedo quanto infância e adolescência em crianças com fatores de risco. A aterosclerose é a causa mais comum de doença cardíaca. Ela está relacionada ao colesterol e triglicérides no sangue, que estão associados com maus hábitos alimentares e excesso de peso.


Pressão Alta - Crianças com sobrepeso são mais propensas a ter pressão arterial elevada, que pode sobrecarregar o coração.

Problemas de fígado - Pessoas que são obesas estão em maior risco de um problema de fígado chamado esteato-hepatite não alcoólica (NASH), o que pode levar à cirrose.

Menstrual Problemas - Estar acima do peso pode causar uma menina para alcançar a puberdade em uma idade mais adiantada. Além disso, a obesidade pode contribuir para miomas uterinos ou irregularidades menstruais mais tarde na vida.


Problemas para dormir - As crianças que estão acima do peso têm maior risco de apneia obstrutiva do sono, que é uma doença grave, potencialmente fatal respiração caracterizada por breves interrupções da respiração durante o sono. Ao longo de um período de tempo longo, isso pode levar a insuficiência cardíaca.


Síndrome metabólica

Entre 25 por cento e 40 por cento das crianças que estão com sobrepeso terão síndrome metabólica, que prepara o terreno para diabetes e problemas cardíacos. A síndrome metabólica inclui:


Lipídios anormais

Pressão alta

Resistência a insulina

Obesidade


A boa notícia é que os problemas de saúde associados à síndrome metabólica respondem bem a dieta e exercício. Quando as crianças a perder peso - até mesmo quantidades modestas de peso - pode reverter os efeitos negativos da síndrome metabólica.


Excesso de peso para a Vida

Crianças e adolescentes com excesso de peso são mais propensos a se tornarem adultos com sobrepeso ou obesos. É um ciclo extremamente difícil de quebrar. Uma dieta pouco saudável e um estilo de vida sedentário são conhecidos fatores de risco para as três principais causas de morte em adultos: câncer, acidente vascular cerebral e doença cardiovascular.


Embora existam opções de tratamento para crianças com excesso de peso, a prevenção é a chave para o combate à epidemia de obesidade infantil.


Alergias e intolerancias alimentares:

Outro ingrediente comum em alimentos processados ​​é a soja, que é também um dos oito maiores alérgenos alimentares. E mais uma vez, vemos a presença de algo "estrangeiro" como a grande maioria da soja agora é geneticamente modificado para resistir a doses maciças de herbicida.


O milho.


Alergias do milho estão em ascensão, o milho esta sendo geneticamente modificado para suportar herbicida Roundup da Monsanto, outras variedades são projetados para criar o seu próprio pesticida interno (toxina Bt). A indústria de biotecnologia alegou que não havia riscos de saúde com que se preocupar a partir desses alimentos alterados. No caso do milho Bt, a preocupação de que seu intestino pode se transformar em uma fábrica de pesticidas foi descartada com garantias fracas que a toxina Bt não iria sobreviver uma vez ingeridas.


No entanto, apenas no mês passado, um estudo revelou que a toxina Bt foi detectado em:


93 por cento das amostras de sangue materno

80 por cento das amostras de sangue fetal

69 por cento das amostras de sangue das mulheres não grávidas


Outra revisão recente de 19 estudos em animais sobre os organismos geneticamente modificados (OGM) revelou que quase 10 por cento de sangue, urina, órgão e outros parâmetros testados foram significativamente influenciados pelos OGM, com o fígado e os rins se saindo pior. Além disso, Jeffrey Smith, diretor-executivo do Instituto de Tecnologia Responsável e autor de dois livros sobre o tema, tem documentado mais de 65 sérios riscos para a saúde de produtos geneticamente modificados de todos os tipos.


Entre eles:


Crias de ratos alimentados com soja GM mostrou um aumento de cinco vezes na mortalidade, menor peso ao nascer, e a incapacidade de reproduzir

Camundongos machos alimentados com soja GM tinha danificado células espermáticas jovens

A descendência de embriões de camundongos alimentados com GM-soja tinha alterado funcionamento DNA.

Vários agricultores norte-americanos relataram esterilidade ou de fertilidade problemas entre porcos e vacas alimentadas com milho GM variedades.

Sinais de Sensibilidades e alergias alimentares

Você experimenta inchaço após as refeições , gás, arrotos frequentes , ou qualquer tipo de problemas digestivos ?
Você tem constipação crônica ou diarréia ?
Você tem um nariz entupido após as refeições ?
Você tem baixo consumo de energia ou se sente sonolento depois de comer ?
Você tem dores de cabeça ou enxaquecas freqüentes ?
Alguém na sua família tem alergias alimentares ?
Se você responder sim a qualquer destas perguntas, você pode querer investigar mais.


Corantes causariam hiperatividade em crianças


Uma pesquisa feita pela Universidade de Southampton, na Inglaterra, concluiu que corantes e conservantes encontrados em alimentos infantis e refrigerantes podem ser relacionados a hiperatividade e distúrbios de concentração em crianças.

O estudo - encomendado pela Food Standards Agency, a Vigilância Sanitária da Grã-Bretanha, e publicado na revista científica Lancet - oferecia três tipos diferentes de bebidas a um grupo de 300 crianças de 3, 8 e 9 anos de idade.

Uma das bebidas continha uma forte mistura de corantes e conservantes, outra tinha a quantidade média de aditivos que as crianças ingerem por dia, e a última era um placebo, sem nenhum aditivo. Os níveis de hiperatividade foram medidos antes e depois de as crianças beberem um dos líquidos aleatoriamente.

Coquetel de aditivos 


O grupo que ingeriu a mistura A, com alto nível de aditivos, teve "efeitos adversos significativos" em comparação com o que bebeu o placebo.

O pesquisador responsável pelo estudo, Jim Stevenson, defendeu que algumas misturas de corantes artificiais e benzoato de sódio, um conservante usado em sorvetes e doces, estavam ligadas a um aumento de hiperatividade.

"No entanto, os pais não devem achar que é possível prevenir problemas de hiperatividade completamente apenas retirando esses aditivos da comida", explicou ele. "Sabemos que há muitos outros fatores nessa questão, mas pelo menos este (a ingestão de aditivos) é um que a criança pode evitar."

Uma agência do governo britânico de alimentos defendeu nesta quinta-feira que a Europa proíba o uso de seis corantes artificiais, depois que um estudo revelou que essas substâncias podem estar ligadas à hiperatividade infantil.


"A evidência que temos sugere que seria recomendável retirar esses corantes dos alimentos", afirmou a presidente da Foods Standard Agency (FSA), Deirdre Hutton.

Um estudo realizado a pedido da FSA e concluído em setembro do ano passado revelou que crianças passaram a agir impulsivamente e perderam a concentração depois de consumir uma bebida contendo altos níveis de aditivos.

O estudo reuniu 300 crianças. Três tipos de bebida foram distribuídos entre elas - uma contendo uma mistura forte de corantes e outros aditivos, uma que continha a média de aditivos comumente consumida diariamente por uma criança e um "placebo", sem nenhum tipo de aditivo.

O nível de hiperatividade das crianças foi medido antes e depois, e os pesquisadores concluíram que a bebida com a maior quantidade de aditivos teve um efeito "significativamente adverso" se comparado ao efeito da bebida sem aditivos. 

Os corantes utilizados na pesquisa foram o amarelo crepúsculo (E110), amarelo tartrazina (E102), ponceau 4R (E124), azorrubina (E122), vermelho 40 (E129) e o amarelo quinolina (E104).

Na época da conclusão do estudo, a FSA aconselhou pais de crianças hiperativas a ficarem atentos aos riscos existentes no consumo de corantes, mas foi criticada por não fazer recomendações mais fortes.

Pressão

"Nós gostaríamos que o uso desses corantes fosse abandonado ao longo de um período. Mas isso requer uma ação da União Européia que obrigasse os países", afirmou Hutton nesta quinta-feira.

Como uma proibição desse tipo poderia levar anos até ser aprovada pela União Européia, a agência britânica de alimentos quer que os ministros britânicos pressionem fabricantes a optar pela remoção voluntária dos corantes até o ano que vem. 

A agência européia para segurança dos alimentos disse, em março do ano passado, que os efeitos de corantes no comportamento das crianças eram pequenos, mas disse que essas substâncias poderiam se removidas da dieta sem custo ou risco, já que os aditivos não têm benefícios nutricionais.

Um porta-voz da Federação Britânica de Alimentos e Bebidas, que representa empresas da indústria alimentícia, disse ter ficado surpreso com a recomendação para que governo pressione os fabricantes.

"Os fabricantes britânicos já estão retirando esses corantes de vários produtos", disse Julian Hunt.

Ele disse que os fabricantes estão preocupados que alguns produtos dos quais não foi possível remover os aditivos tenham de ser eventualmente retirados das prateleiras dos supermercados.

Um porta-voz do Departamento de Saúde britânico disse que o governo pedirá para que a FSA continue a trabalhar com os fabricantes para convencê-los a retirar os corantes voluntariamente.

O corante artificial tartrazina é um dos mais usados em todo o mundo para corar alimentos, medicamentos e cosméticos. É um derivado nitroso, sabidamente causador de reações alérgicas como asma e urticária, e tem sido alvo de estudos de mutagênese e carcinogênese por produzir a amina aromática ácido sulfanílico após ser metabolizado pela microflora gastrintestinal. Foram estudados 45 ratos Wistar, machos, divididos em grupo controle (A) e tratado (B). O grupo tratado recebeu o corante diariamente em água de beber ad libitum, na dose de 7,5 mg.kg-1.dia-1 por dez meses, do desmame aos doze meses de idade. Houve aumento significante do número de linfócitos e eosinófilos na mucosa do antro gástrico. Não foram observadas alterações carcinogênicas em nenhuma das regiões gástricas com a dose e o tempo utilizados. O corante tartrazina permanece entre os possíveis carcinógenos alimentares por ser da classe azo, devendo ter prosseguimento seus estudos; variando-se a dose e o tempo de administração e verificando-se seus efeitos quando associado a outros carcinógenos, para seu uso continuar sendo recomendado com segurança. 

Perigos dos corantes artificiais


Alimentos de cor é um ingrediente que pode ser adicionado aos alimentos ou outros itens para melhorar ou adicionar cor. É, sobretudo, adicionados aos alimentos processados, pois sem ele a comida iria apenas olhar monótono. Definitivamente, não é uma coisa "nova". Corantes alimentares têm sido usados como meio de aumentar o prazer estético de alimentos durante séculos. Mas antes, eles eram principalmente provenientes da natureza. Então se você quer a cor vermelha, você poderia adicionar o suco de beterraba, se você queria amarelo, você deve adicionar água açafrão. 

Mas após a 2 Guerra Mundial, cores artificiais derivados químicos e corantes se tornaram mais comuns. Os corantes artificiais utilizados para olhar grande e eles fazem a comida pareça ser vibrante e atraente. As potenciais vantagens sobre os corantes naturais eram imensas. Eles eram fáceis de fabricar a um custo menor e tinha uma vida quase ilimitado shelve. Como resultado, cada vez mais alimentos hoje em dia são preenchidos com alimentos corantes artificiais ingredientes que contêm os produtos químicos a partir de fontes altamente tóxicos.

consumo constante dessas cores altamente tóxicos pode levar a várias doenças, tais como:

Promover Cânceres: 1 Blue é um corante usado frequentemente para o gelo de cor creme, doces, bebidas e produtos de panificação. É considerado de baixo risco, mas um estudo que associou a câncer em camundongos. Outro estudo encontrou alguns dos animais - mas não conclusiva - a evidência que a Blue 2, encontrados em cada alimento, bebidas e doces, provoca câncer cerebral nos ratos do sexo masculino. 

Hiperatividade: Vermelho 40 é na tintura comum encontrada em alimentos de petisco, como batatas fritas e batatas fritas e outros tem sido associada a transtornos de hiperatividade e irritabilidade nas crianças. Os sintomas mais comuns que as crianças que são sensíveis à experiência de corante vermelho 40 incluem as birras graves, inquietação, agressividade, incapacidade de concentração e nervosismo. Embora pesquisas anteriores mostraram nenhuma correlação entre déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e corantes alimentares, novos estudos apontam agora para conservantes sintéticos e corantes artificiais como agravantes ADD e sintomas de TDAH, tanto em pessoas afectadas por estas doenças e na população em geral.

Doenças renais: 6 corante amarelo que é um dos mais utilizados, podem ser encontrados em salsicha, gelatina, bolos, biscoitos, doces e bebidas está ligado a tumores do rim e as glândulas supra-renais. Também contêm pequenas quantidades de muitos carcinógenos.

esterilidade masculina: Azul 1 e 2 têm sido associados a esterilidade masculina em uma série de estudos.

Enfraquecer o sistema imunológico: Um estudo realizado na Universidade da Califórnia determinou algumas corante alimentício resultado agentes em um efeito negativo sobre o sistema imunológico. Este estudo mostrou que os alimentos caramelo coloração, freqüentes aditivo para muitos comumente consumidos refrigerantes, etc molho de soja, diminui a função do sistema imunológico que poderia alterar a capacidade do organismo de combater infecções. No entanto, a quantidade de corante caramelo usados no estudo eram muito maiores do que aquilo que é encontrado em alimentos.

complicações múltiplas: corante amarelo 5 utilizado em lanches, cereais, doces, macarrão instantâneo, misturas para bolos e doces podem causar reações alérgicas, asma, dores de cabeça, visão turva, ansiedade e problemas de comportamento. 

Como evitar os perigos de corante alimentar?

Aqui estão algumas dicas para ajudar você a reduzir a ingestão de corantes artificiais:

Dê a seu filho alimentos mais completos e evitar ou limitar a quantidade de alimentos processados que ele come. Se necessário, você pode dar-lhe os alimentos feitos com cores naturais.

Leia atentamente o rótulo do alimento antes de http://xn--compr-los-41a.Se ele tem cores artificiais - especialmente vermelho 3, vermelho 40, amarelo 5, amarelo 6, um azul, azul 2, 3 e B verde laranja - orientar claro. Alguns fabricantes usam mesmo os nomes incomuns para os corantes artificiais como Allura AC vermelho para vermelho 40, eritrosina para vermelho 3, amarelo tartrazina para 5 e indigotina para Blue 2.

Evitar ou limitar alimentos com um monte de diferentes cores brilhantes sobre eles.

Ao comprar frutas, legumes ou peixe, verifique se o alimento antes de comprar e procurar sinais de que eles foram artificialmente reforçada. Alguns vendedores realmente acrescentar corante para fazer a comida pareça ser mais apetitoso e fresco. Suspeite de qualquer produto que parece muito colorido.

1) Depoimento do Dr. Darío Varona, respondendo à pergunta de mãe sobre como tratar seu filho hiperativo:

"Como diriam as avós, seu filho é "esperto demais". Atualmente é muito mais freqüente encontrar crianças com desenvolvimento mental mais avançado que as crianças de outras épocas, visto que têm várias ferramentas para fazer coisas muito mais importantes na vida; para isto, como você diz, devemos ajudá-los a gastar tanta energia.

Uma criança "avançada" pode manter um estado de atividade permanente, porque percebeu o quanto é maravilhoso descobrir o mundo que a rodeia. Você deve, no entanto, estar sempre alerta porque seu filho pode "sair da linha" e agir como de fosse o dono do mundo; em outras palavras, fará só o que quer e não se importará com as pessoas que o rodeiam.

Detectamos que, ao oferecer uma alimentação adequada, livre de conservantes, corantes e açúcares refinados, as crianças chegam a mudar muito de comportamento; são menos hiperativos e prestam mais atenção. Tudo isso deve ser complementado com a implantação de regras claras de comportamento em casa, estabelecendo limites que todos devem respeitar.

Recomendo que você não ceda às exigências nem dê prêmios para que ele se comporte bem. Se perceber que não consegue alcançar seus objetivos com esses parâmetros, recomendo que procure um psicólogo infantil."

2) Aditivos químicos causadores de hiperatividade infantil:


E102 Amarelo tartrazina
corante amarelo-alaranjado de bebidas, pudins, molhos e doces em geral
produz hiperatividade infantil, crises de asma e reações similares à aspirina

E122 Azorrubina
corante púrpura-avermelhado usado em bebidas de framboesa e confeitaria
produz hiperatividade infantil,crises de asma e reações similares à aspirina
E124 Poinceau 4R
corante vermelho usado em produtos à base de morango, balas, pudins e bolos
produz hiperatividade infantil, crises de asma e reações similares à aspirina

E131 Azul patenteado V
corante azul-violeta usado em confeitaria
produz hiperatividade infantil, crises de asma, reações alérgicas similares à aspirina e outras intolerâncias

E132 Indigotina
corante azul usado em molhos e confeitaria
produz hiperatividade infantil, crises de asma, reações alérgicas similares à aspirina e outras intolerâncias

E155 Castanho HT
corante castanho em muitos alimentos processados
produz hiperatividade infantil, crises de asma, reações alérgicas similares à aspirina e outras intolerâncias

E210 Ácido benzóico
conservante sintético para produtos à base de frutas, picles, peixe marinado e molhos para saladas
produz hiperatividade, crises de asma e outras reações alérgicas. Sugeriu-se que favorece a entrada de vermes no organismo, prejudicando especialmente o timo, órgão que produz as células de defesa do organismo

E211 Benzoato de sódio
E211 Benzoato de potássio
E213 Benzoato de cálcio
conservantes similares ao anterior
produz hiperatividade, crises de asma e outras reações alérgicas. Sugeriu-se que favorece a entrada de vermes no organismo, prejudicando especialmente o timo, órgão que produz as células de defesa do organismo

E249 Nitrito de potássio
E250 Nitrito de sódio
E251 Nitrato de sódio
E252 Nitrato de potássio
conservantes usados em alguns queijos e em carnes cozidas em geral, presunto, lingüiça, salsicha etc.
causam hiperatividade e outras reações alérgicas, sendo especialmente prejudiciais aos bebês. Sugeriu-se que se transformem em nitrosaminas, substâncias cancerígenas


E310 Galato de propila
E311 Galato de octila
E312 Galato de dodecila
antioxidantes adicionados a gorduras e óleos encontrados em alimentos fritos
produzem hiperatividade infantil, crises de asma, reações similares à aspirina e são especialmente prejudiciais para os bebês

E320 Butil-hidroxianisol (BHA)
E321 Butil hidroxitolueno (BHT)
antioxidantes usados em margarinas e outras gorduras, assim como frituras
produzem hiperatividade infantil, crises de asma e outras reações alérgicas, sendo especialmente prejudiciais para os bebês

E621 Glutamato monossódico
E622 Glutamato monopotássico
E623 Diglutamato de cálcio
E627 Guanilato dissódico
E631 Inosinato dissódico
E635 5-Ribonucleotídeo dissódico
intensificadores de sabor usados em carnes cozidas e enelatadas, tabletes de caldo de carne e de galinha, sopas prontas
produzem hiperatividade infantil, crises de asma, reações similares à aspirina e outras, sendo especialmente prejudiciais aos bebês.

3) Indústria alimentícia e indústria farmacêutica aliadas:

A indústria alimentícia e a indústria farmacêutica estão intimamente aliadas. 
Os laboratórios freqüentemente produzem os aditivos usados nos produtos alimentícios. Várias indústrias de alimentos foram compradas pela indústria farmacêutica. Esse conglomerado muitas vezes patrocina pesquisas em universidades de grande prestígio. Um professor de nutrição da Universidade Harvard publicou vários estudos comprovando que os aditivos químicos na comida não causam hiperatividade nas crianças. Ele publicamente endossou o consumo de refrigerantes, doces e aditivos químicos na alimentação infantil, argumentando que as crianças hiperativas não devem ser tratadas com controle alimentar, mas sim com os medicamentos de rotina. A Nutrition Foundation prestigiou esse cientista, fundando um laboratório, com seu nome, no campus da Universidade Harvard. A terapia de rotina para crianças hiperativas implica no uso de Ritalina, uma droga semelhante às anfetaminas. 


Ritalina produz dependência, pode provocar comportamento psicótico e atinge altos preços no tráfico das drogas.

Quem desejar ler o texto na íntegra, "Corrupção na medicina moderna", busque:


4) Déficit de Atenção/Hiperatividade
Prof. Dr. José de Felippe Junior

"O papel que os aditivos alimentares desempenham na hiperatividade e no distúrbio de déficit de atenção (ADD: attention deficit disorder) é motivo de uma controvérsia considerável nos últimos anos. A hipótese de Feingold propõe que os aditivos alimentares como o BHT, BHA, corantes artificiais e aromatizantes, emulsificantes, nitratos e sulfitos, induzem a hiperatividade em crianças. Feingold listou 3.000 aditivos alimentares diferentes que deveriam ser investigados. Enquanto a conclusão final do comitê consultor nacional de hiperkinesis e aditivos alimentares era a de que não há uma ligação significante entre ambos, estudos em andamento sugerem que há um correlação definitiva e significante. Em estudos clínicos controlados, até 50% de crianças hiperativas melhoraram quando suas dietas foram alteradas, controlando a ingestão de aditivos, açúcar e eliminando possíveis alérgenos alimentares. 

• Eliminar o açúcar branco da dieta

Muitos estudos sugerem que crianças hiperativas apresentam comprometimento da tolerância à glicose . A tendência à hiploglicemia em crianças hiperativas também apoia os efeitos negativos que o açúcar pode provocar. Alguns estudos de universidades revelam que um café da manhã rico em açúcar e em carboídratos pode acentuar o comportamento hiperativo. Quando se ingeria proteína no café da manhã, a hiperatividade era muito diminuída.

Podemos observar alergia ou intolerância (o diagnóstico pode ser feito por bioressonância , método físico aceito por muitos pesquisadores brasileiros e alemães) : leite de vaca, chocolate, aromatizante de uvas, aromatizante de laranja, cana de açúcar, tomates, produtos de trigo, ovos, derivados do leite, nozes, peixe , etc. 
É amplamente aceito que os alérgenos alimentares podem causar mudanças de humor , depressão e até alucinações. Foi Randolf que descobriu que os alimentos podem provocar alergia cerebral com vários tipos de manifestações psicológicas , que desaparecem quando afastamos o alimento causal.

• Elimine sal, refrigerante (altos níveis de fosfato), catchup, mostarda, molho de soja, vinagre de maçã, queijos coloridos, jantares delivery, carnes de lanches, hot dog, carnes defumadas, presunto, trigo, milho, manteiga com corante, margarina, sorvete, doces e perfumes.

• Não use alimentos com salicilatos: estes incluem amêndoas, maçãs, damascos, cerejas, uvas passas, amoras, pêssegos, ameixas, ameixas secas, tomates, pepinos e laranjas.

• Enfatize frutas e vegetais que não estejam na lista de eliminação; cereais, pães, biscoitos que só contenham arroz ou aveia, ou painço. Faça um quadro de anotações de sintomas todas as semanas com os alimentos consumidos e qualquer reação emocional que possa estar relacionada com aqueles alimentos. Teste e reteste para não culpar alimentos inocentes. O exame de bioressonância testa os 140 alimentos mais frequentemente consumidos, de uma maneira rápida e confiável.

• Os fosfatos tipicamente encontrados nos refrigerantes foram relacionados com a hiperatividade muscular.


5)Elo entre hiperatividade e alimentos:
O elo entre crianças hiperativas e aditivos nos alimentos foi sugerido pela primeira vez na década
quando alguns alimentos são retirados da dieta.
Estes incluem o leite, os ovos, o trigo, as nozes, os corantes e os conservantes como tartrazina e ácido benzóico. Existe uma relação entre alimentação e hiperatividade em crianças, principalmente naquelas com condições alérgicas como asma e eczema. 





(Food Magazin, 1.11.02 / Greenhealthwatch, 2002 nº 23) 





http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-69842007000100019&lng=pt&nrm=iso

21 de julho de 2015

Blog SOMOS VERDES!

Pessoal, olha que fofo, o Fernando do lindo blog Somos Verdes me pediu pra mostrar meu jardim comestivel e com isso incentivar mais e mais pessoas a plantar. Se vc tem um jardim comestivel e nao usa veneno mande as fotos ou videos pro Fernando e vamos com isso mudar a historia do Brasil!!! diga NAO a SELVA DE PEDRAS e SIM aos jardins vivos e comestiveis... So assim mudaremos a situacao da saude Brasileira!



CLIQUE AQUI...BLOG SOMOS VERDES !!!!